Publicado em ciência, Pensamentos, Pesquisas, Reflexões

Somos Todos Ratos?

“Eu fiz a terra, e criei nela o homem; eu o fiz.” Isaías 45:12

Desde que a tecnologia avançou a tal ponto que os cientistas podem agora mapear genomas inteiros de vários animais, temos ouvido de como os seres humanos são extremamente semelhantes a outros mamíferos no nível dos genes. Essas semelhanças sempre geram destaques nos noticiários, mas eu sempre achei tudo isso muito barulho por nada.

Afinal de contas, eu posso ver com meus próprios olhos que os seres humanos e os ratos, por exemplo, são extremamente diferentes. Então, quando os biólogos me disseram que os ratos e os homens eram basicamente iguais, eu percebi que a métrica de comparação deles estava sendo exagerada.

Em um artigo do NY Times, de 2002, Nicholas Wade escreveu que “apenas cerca de 300 genes — um por cento dos 30.000 possuídos pelo rato  não têm nenhuma contrapartida óbvia no genoma humano”. Assim, somos informados de que os seres humanos e os ratos são 99% similares com base em seus genes.

Também fomos informados de que praticamente todas as informações necessárias para a construção de uma planta ou animal seriam encontrados nos genes que codificam proteínas, o que implicaria que as instruções para a construção de um rato são 99% semelhantes às instruções para a construção de um ser humano. Este “fato” da biologia nunca fez sentido para mim [veja, sobre o assunto, o link sugerido ao final do post], já que eu posso ver que os ratos e os seres humanos são construídos de forma bastante diferente, e muito mais do que 1% diferente.

James Shapiro, em seu livro “Evolution: a view from the 21st century”, explica que eu não estava errado, afinal. Há muito mais por trás da construção de um animal do que os genes que codificam proteínas. Shapiro afirma:

A opinião tradicional tem sido a de que espécies relacionadas diferem no seu repertório de ‘genes’ individuais. Mas uma perspectiva de EvoDevo mais contemporânea é que muito da alteração morfológica em evolução [Shapiro se prende ao modelo evolucionista] ocorre por uma modificação de expressão através da alteração de intensificadores e outros sinais de regulação da transcrição,  bem como por padrões distintos de formatação epigenética.  (Versão livre, comentário em colchetes)

Tradução: genes não são os únicos fatores determinantes das mudanças corporais evolutivas [história evolutiva suposta pelo modelo evolucionista, não demonstrada ou testada]. Há todo um outro mundo atrás dos genes que os cientistas só recentemente vêm descobrindo. Shapiro continua:

Comparando ratos e homens, os “genes” permanecem praticamente os mesmos, mas a sua implantação é diferente. Os ossos, ligamentos, músculos, pele e outros tecidos são semelhantes, mas sua morfogênese e seu crescimento seguem padrões distintos. Em outras palavras, os seres humanos e os ratos compartilham a maioria das proteínas, e as diferenças mais óbvias na morfologia e no metabolismo podem ser atribuídas aos padrões reguladores distintos no desenvolvimento embrionário e pós-natal. (Versão livre)

A maneira como leio isso é que se pensarmos em um ser humano como uma “casa”, e em um rato como uma “casa diferente”, é verdade que ambas as casas são construídas com madeira, blocos de concreto, pregos, vidro, etc, que é o que nos dão os genes, as matérias-primas da casa.

E isso é interessante. Mas a própria construção da casa envolve muito mais do que as matérias-primas. O que é mais importante é a arquitetura, os projetos, que especificam como as matérias-primas serão utilizadas para construir a casa. A “casa rato” é [grosso modo] como um casebre de 30m2, enquanto a “casa homem” é como uma requintada mansão de 3.000m2.

Claro, elas são feitas de materiais semelhantes, mas dizer que o casebre e a mansão são 99% semelhantes é totalmente enganoso, não é mesmo?

“Mais valeis vós do que muitos passarinhos.” Mateus 10:31 “Quanto mais vale um homem do que uma ovelha.” Mateus 12:12
Fonte: Bill Pratt

[Mais sobre a falácia do argumento evolucionista da “similaridade” e “ancestralidade comum” aqui: A “Lógica” da Evolução e o Tabu da Ancestralidade Comum (ou Par, eu Ganho; Ímpar, Você Perde).]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s