Publicado em Filmes, Livros, Notícias, Reflexões, Revistas, Testemunhos, Uncategorized

Biografia de herói que inspirou filme indicado ao Oscar é lançada no Brasil

 

Andrew-Garfield-in-Hacksaw-Ridge-2016-1-800x533

A editora Casa Publicadora Brasileira lançou, ainda no ano passado (2016), a versão em língua portuguesa da biografia de Desmond Doss escrita por Frances M. Doss, segunda esposa do veterano de guerra que inspirou o filme “Até o último homem”, indicado a 6 Oscars em 2017. Leia o artigo “Herói improvável”, publicano na Revista Adventista (e a Entrevista com o próprio Desmond Doss, de 1987).

CPB lança biografia do herói adventista da II Guerra Mundial.

Pequena resenha/apresentação da editora:

“Senhor, ajuda-me a salvar mais um.”

A artilharia pesada em Okinawa multiplicava as vítimas, mas não intimidou Desmond Doss, soldado e homem de fé. Com a coragem e a força da oração acima, ele se recusou a procurar abrigo e carregou, um por um, seus companheiros caídos até um local seguro. Em aproximadamente cinco horas ele resgatou todos os 75 feridos naquele ataque. Este e outros atos heroicos fizeram com que ele recebesse a mais alta distinção que se pode conferir a um soldado norte-americano: a Medalha de Honra.
Porém, sua história não termina em 1945. Houve muitas outras batalhas e vitórias para o homem conhecido como “o mais improvável dos heróis”. Este livro conta cada uma delas.
Da infância marcada por acidentes à bravura na Segunda Guerra Mundial, da trágica perda de sua esposa Dorothy às batalhas contra a surdez e o câncer, Desmond Doss viveu com devoção insuperável. Devoção a seu país, a suas convicções e, acima de tudo, a seu Deus.

Detalhes do produto

Formato: 14.0 x 21.0 cm
Número de páginas: 176
ISBN: 978-85-345-2353-0
Acabamento: Brochura

Fonte (e “site” para adquirir o livro): CPB

Observação: Assim como Desmond Doss, funcionários da Casa Publicadora Brasileira (editora adventista) guardam o sábado. A compra de produtos no “site” só é possível fora das horas do sétimo dia bíblico, que começa ao pôr do sol de sexta-feira e termina ao pôr do sol de sábado.

Anúncios
Publicado em ciência, Filosofia, Ilustrações, Livros, Pensamentos

John Lennox: Não Confunda o “Motor Ford” com o “Doutor Ford”

 

 

Alguns céticos do cristianismo são conhecidos por argumentar que o grande sucesso da ciência, ao revelar os mecanismos físicos do universo, deve nos levar a concluir que a hipótese “Deus” é totalmente desnecessária. “A ciência acabará por revelar as leis da natureza e, uma vez conhecidas essas leis, a necessidade de Deus terá desaparecido”. É o que pensam. Isso faz sentido? Não de acordo com o professor, filósofo e matemático da Universidade de Oxford John Lennox. Em seu livro “God’s Undertaker“, Lennox afirma: “Tal raciocínio envolve uma falácia lógica comum.”

Veja como ele ilustra a falácia nesta citação (tradução de trecho de um capítulo da obra “Beyond Opinion: Living the Faith We Defend“):

O sucesso da ciência às vezes leva as pessoas a pensar que, por podermos compreender os mecanismos do universo, podemos concluir com segurança que não houve um Deus que o projetou e o criou em primeiro lugar. Esse raciocínio comete um erro lógico, uma vez que confunde “mecanismo” com “agência”. Considere um motor de carro Ford. É concebível que alguém que estivesse vendo um desses motores pela primeira vez e não soubesse nada de ciência pudesse imaginar que há um “deus” (Senhor Ford) no interior do motor e que esse “deus” o faz funcionar. É claro que, se tal pessoa, posteriormente, viesse a estudar engenharia e desmontasse o motor, iria descobrir que não há um “deus” (Senhor Ford) no seu interior. Também veria que não havia necessidade de introduzir o Senhor Ford como uma explicação para o funcionamento do motor: sua compreensão dos princípios impessoais de combustão interna seria suficiente para isso. No entanto, se ela decidisse então que sua compreensão dos princípios de como o motor trabalha torna impossível acreditar na existência de um Senhor Ford que projetou esse motor em primeiro lugar, isso seria patentemente falso. Se nunca houvesse um Senhor Ford para projetar os mecanismos, nenhum desses mecanismos existiria para ser compreendido.

Como essa ilustração se aplica a Deus e ao universo?

Lennox (novamente em “God’s Undertaker”) explica:

É igualmente um erro de categoria supor que a nossa compreensão dos princípios impessoais segundo os quais o universo funciona torna tanto desnecessário como impossível acreditar na existência de um Criador pessoal que o projetou,  que o fez e o sustenta. Em outras palavras, não devemos confundir os “mecanismos” pelos quais o universo funciona com a sua “Causa” ou o seu “Sustentador”.

Hawking, Dawkins e outros cientistas ateus não conseguem entender este ponto filosófico básico. Um dia, se houver uma explicação física total e completa de como cada partícula do universo se comporta, se chegarmos a um conjunto de equações que explique cada mecanismo físico, a questão fundamental de onde essas equações vieram ainda precisará ser respondida. Os cientistas não terão eliminado a existência do “Doutor Ford”.

Fontes:
ThePoachedEgg.Net
ToughQuestionsAnswered

 

Publicado em ciência, Conferências, Perguntas e Respostas, Reflexões, Vídeos

Dez Respostas Rápidas para Clichês Ateístas

Você não precisa ler centenas de livros para discutir sua fé com um ateu. Algumas vezes, afirmações e questões que são apenas chavões curtos podem ser respondidas também de forma curta, com a mesma rapidez. Na “Conferência dos Evangelistas” (2014), em Londres, o Professor John Lennox ofereceu algumas respostas rápidas a algumas declarações comuns de ateus [aqui acrescentadas de alguns links para postagens correlatas deste blogue] .

1) Você não acredita em Zeus, Thor e todos os outros deuses. Eu apenas vou um passo/deus a mais do que você e rejeito o Deus cristão.

O problema com esta ideia é que “deuses” como Zeus e Thor não são comparáveis ​​com o entendimento bíblico de Deus.

“Há uma grande distinção entre todos os deuses antigos do oriente próximo e o Deus da Bíblia”, diz o Prof. Lennox. “Aqueles são produtos da massa e da energia primordial do universo. O Deus da Bíblia criou os céus e a terra.” [A Bíblia entre os mitos: que diferença!]

2) A ciência já explicou tudo, e ela não inclui Deus.

A ciência não pode responder a certos tipos de questões, tais como “o que é ético?” e “o que é belo?” Mesmo quando se trata de questões sobre o mundo natural, que a ciência explora e às quais, por vezes, pode responder, existem diferentes tipos de explicações para coisas diferentes.

“Deus não compete com a ciência como uma explicação do universo mais do que Henry Ford compete com a lei de combustão interna como uma explicação do automóvel”, diz o professor.

3) A ciência se opõe a Deus.

Há certas concepções de “deus” que podem ser opostas à ciência, mas não a do Deus cristão. Pode haver certos tipos de “deuses” que são inventados para explicar coisas que não entendemos, mas eles não são cristãos.

“Se nos é oferecida uma escolha entre ciência e ‘deus’… não se trata de um conceito bíblico de Deus”, diz o prof Lennox. “O Deus bíblico não é um deus das lacunas, mas um Deus de todo o conjunto. Os fragmentos que entendemos [pela ciência] e aqueles que não entendemos.”

“Entre muitos pensadores proeminentes, a ideia deles sobre Deus é completamente pagã. Se você definir Deus como sendo um ‘deus’ das lacunas, então você tem mesmo que oferecer uma escolha entre ciência e ‘deus’”. [Cristianismo, Ciência e o Obscurantismo do Século XXI]

4) Você não pode provar que há um Deus.

Este tipo de declaração ignora que existem diferentes tipos de “prova”.

“Você pode provar que existe um Deus?” pergunta o Prof. Lennox. “Em sentido matemático, não.  Mas provar qualquer coisa [ não apenas a existência de Deus] é muito difícil. A palavra ‘prova’ tem dois significados. Há o significado rigoroso em matemática, que é muito difícil de fazer e raro. Mas depois há o outro sentido – que é ‘provar’ além da dúvida razoável.

Esse é o tipo de ‘prova’ que podemos apresentar: argumentos para levar alguém para além da dúvida razoável. Por exemplo, os argumentos racionais, como os dos filósofos Alvin Plantinga e William Lane Craig [Ex.: O Argumento Moral e o Ajuste Fino do Universo], a experiência pessoal dos cristãos e o testemunho dos relatos dos evangelhos na Bíblia.” [Cinco Razões Por Que os Historiadores Levam os Evangelhos a Sério]

5) Fé é acreditar sem nenhuma prova.

A fé cristã nunca foi sobre não ter nenhuma prova: os evangelhos foram escritos para fornecer provas, como o início do evangelho de Lucas: “Muitos já se dedicaram a elaborar um relato dos fatos que se cumpriram entre nós, conforme nos foram transmitidos por aqueles que desde o início foram testemunhas oculares e servos da palavra. Eu mesmo investiguei tudo cuidadosamente, desde o começo, e decidi escrever-te um relato ordenado…” (Lucas 1:1-3).

O fim do evangelho de João diz: “Estas coisas foram escritas para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome” (João 20:31).

Mas acreditar sem provas é uma noção comum de “fé” hoje em dia. “Essa definição está no dicionário e é acreditada por muitos”, diz o Prof. Lennox. “Então, quando falamos sobre a fé em Cristo, eles acham que isso é porque não há nenhuma prova. [O fato, porém, é que o evangelho de João mostra que] o cristianismo é uma fé baseada em provas.” [Jesus é Evidência de que Deus Existe]

6) A fé é uma ilusão. Eu não acreditaria em Deus mais do que no coelhinho da Páscoa, no Papai Noel ou no Monstro de Espaguete Voador.

Essas idéias se tornaram populares por meio de pessoas como o professor Richard Dawkins. A única coisa a que se prestam é à zombaria [e, como se sabe, zombaria não é argumento].

“Declarações de cientistas nem sempre são declarações da ciência”, afirma o Prof Lennox. “Stephen Hawking diz: ‘A religião é um conto de fadas para pessoas com medo do escuro’. Eu digo: ‘O ateísmo é um conto de fadas para pessoas com medo da luz’.

“Nenhuma destas afirmações prova nada. Elas são todas reversíveis. O que está por trás de todas essas afirmações é a ideia freudiana do “wish fulfilment” [a de que acreditamos naquilo que esperamos ser verdade].  Do lado ateísta, vai funcionar muito bem desde que provido que não há nenhum deus . Mas se há um Deus [e sabemos que Ele existe e é a Causa primeira], então o ateísmo é que é “wish fulfilment”.

7) O cristianismo afirma ser verdade, mas há grande quantidade de denominações, e todas elas discordam umas das outras. Por isso, o cristianismo deve ser falso.

Por que a existência de denominações implica que o Cristianismo seja falso? Isso poderia implicar que os cristãos têm personalidades e culturas muito diferentes – ou mesmo que os cristãos não são bons em relacionar-se uns com os outros – mas não que o cristianismo não é verdadeiro.

“Há diferentes tipos de equipes no futebol, mas todos elas jogam futebol”, afirma o Prof. Lennox.

8) A Bíblia é imoral.

Se você quer questionar a moralidade da Bíblia, que base essa sua moralidade possui? Pode haver uma séria contradição no bojo das críticas ateístas. Dawkins escreveu: “Num universo de elétrons e genes egoístas, de forças físicas cegas e de replicação genética, algumas pessoas vão se machucar, outras pessoas vão ter sorte, e você não vai encontrar nenhuma rima nem razão para isso, nem qualquer tipo de justiça. O universo que observamos tem precisamente as propriedades que são de se esperar que ele tenha, dando-se a premissa de que não existe nenhum desígnio, nenhum propósito, nenhum mal, nenhum bem, nada além de impiedosa indiferença”.

Se isso é verdade, então por que ele questiona a moralidade de qualquer coisa? “Dawkins diz que a fé é má”, diz Lennox. “Mas, ao mesmo tempo, ele elimina as categorias do bem e do mal. Isso não faz sentido.” [Sete Erros Fatais do Relativismo Moral]

9) Com certeza você não toma a Bíblia literalmente?

Alguns ateus (e alguns cristãos) têm uma idéia muito preto e branco de como interpretar a Bíblia. Você tem que tomá-la ‘literalmente’ ou lançá-la longe, eles pensam. Isso é ignorar a realidade da linguagem e como ela reflete a verdade.

“Jesus disse: ‘Eu sou a porta’”, diz o Prof. Lennox. “Jesus é uma porta como uma porta ali? Não. Ele não é um porta literal, mas é uma verdadeira porta para uma verdadeira experiência com Deus. A metáfora representa a realidade. A palavra “literal” é inútil.”

10) Qual é a evidência para Deus?
Você pode debater a existência de Deus ad infinitum. Pode ser muito interessante, especialmente quando você entra em detalhes e explora o assunto em profundidade. Mas, para um ateu, ele pode estar perdendo o ponto essencial ou evitando a verdadeira questão [Ou certas reflexões: Mesmo que Eu Fosse um Ateu, Eu Seria um Cristão]. O Prof. Lennox aconselha fazer a pergunta mais importante:

“Suponha que eu pudesse dar evidência de Deus. ​​Você estaria preparado, agora, para se arrepender e confiar em Cristo?”

Claro que existem respostas mais profundas para todas esses clichês. Você pode encontrar muitas dessas respostas em vídeos de debates, como este entre Lennox e Dawkins:

http://www.youtube.com/embed/DxD-HPMpTto

Fonte: Christiantoday

 

 

 

Publicado em Eventos, Filmes, Livros, Notícias, Política

Declaração da Igreja Adventista sobre a Pré-candidatura de Ben Carson

Nota do editor (Megaphone Adv): A Divisão Norte-Americana da Igreja Adventista do Sétimo Dia lançou esta declaração sobre o anúncio de 4 de maio do Dr. Ben Carson, neurocirurgião aposentado e membro adventista, que vai buscar a nomeação do Partido Republicano à presidência dos Estados Unidos.
No momento em que o ciclo eleitoral de 2016 dos Estados Unidos começa, a Igreja Adventista do Sétimo Dia está ciente do aumento do interesse na candidatura presidencial do Dr. Ben Carson.
A história do Dr. Carson é bem conhecida para a maioria dos adventistas, e ele é um médico muito respeitado.
A Igreja Adventista tem uma posição de longa data de não apoiar ou se opor a qualquer candidato a cargo eletivo. Esta posição baseia-se igualmente sobre a nossa posição histórica da separação entre igreja e estado, e sobre a lei federal aplicável em matéria de isenção de impostos da igreja.
Enquanto os membros da igreja individualmente são livres para apoiar ou se opor a qualquer candidato a cargo como entenderem, é crucial que a igreja, como uma instituição, permaneça neutra em relação a todos os candidatos a cargos. Cuidados devem ser tomados para que o púlpito e toda a propriedade da igreja continuem a ser um espaço neutro quando se trata de eleições. Os funcionários da igreja também devem exercitar extremo cuidado para não expressar pontos de vista em sua competência denominacional sobre qualquer candidato a cargo, incluindo o Dr. Carson.
Também queremos lembrar aos nossos membros da igreja, pastores e administradores da posição oficial da Igreja sobre a separação entre igreja e estado. A igreja tem trabalhado diligentemente para proteger os direitos religiosos de todas as pessoas de fé, não importando sua filiação denominacional.
“Devemos, portanto, trabalhar para estabelecer a robusta liberdade religiosa para todos, e não devemos usar nossa influência para com os líderes políticos e civis, quer seja para avançar nossa fé ou inibir a fé dos outros. Os adventistas devem tomar responsabilidades cívicas seriamente. Devemos participar do processo de votação disponíveis para nós, quando possível de forma consciente, e devemos compartilhar a responsabilidade de construir nossas comunidades. Os adventistas não devem, no entanto, tornar-se preocupados com a política, ou utilizar o púlpito ou nossas publicações para promover teorias políticas.” (A partir de uma declaração oficial da Igreja Adventista do Sétimo Dia, adotada pelo Conselho de Relações Inter-religiosas/Intereclesiásticas da Igreja Adventista do Sétimo Dia em março de 2002)
 A Igreja Adventista do Sétimo Dia valoriza o Dr. Carson, como fazemos com todos os membros. No entanto, é importante para a igreja manter o seu apoio histórico de longa data da separação entre igreja e estado, para não defender ou se opor a qualquer candidato.
Com informações de Adventist Review
Fonte: Megaphone Adv
Publicado em Notícias, Perguntas e Respostas, Reflexões, Revistas

Revista Adventista Lança Aplicativo para Tablets

image

Já está disponível para download o aplicativo da Revista Adventista. A versão do periódico para tablets foi desenvolvida para os sistemas operacionais Android e iOS. Agora, além de poder “folhear” virtualmente a edição impressa, como já podia ser feito por meio do acervo online, o internauta terá a possibilidade de acompanhar notícias do mundo religioso, bem como do contexto adventista brasileiro e internacional.

A iniciativa foi elogiada por internautas que baixaram a ferramenta. “Perfeito. Muito bom o app. Com certeza será um bênção a todos os leitores”, avaliou Paulo Ribeiro na loja do Google. “Já gosto de ler a Revista Adventista. Agora, também pelo celular, vai ser muito bom!”, comentou Raquel Luz no Facebook.

Para Marcos De Benedicto, editor da RA, com a nova opção, “nossos leitores poderão usufruir a edição impressa no conforto da sala de estar ou conferir a versão digital na tela do tablet durante uma viagem”. “É bom poder escolher”, ressalta.

É possível baixar ambas as versões clicando abaixo:

Revista Adventista para Android
Revista Adventista para Apple (iOS)

Fonte: Revista Adventista

Publicado em Livros, Notícias, Reflexões, Testemunhos

“Eu Não Morri. Eu Não Fui para o Céu”

Uma editora cristã vai parar de vender o livro “The Boy Who Came Back from Heaven” [O garoto que voltou do céu], agora que o personagem, jovem que ficou paralítico em um acidente de carro, disse que a história de ir para o céu não é verdadeira.

A editora Tyndale House afirmou tanto à NPR quanto ao The Washington Post que vai retirar de circulação o best-seller de 2010, escrito por Alex Malarkey e o pai dele, Kevin Malarkey.
A editora tomou a decisão depois que Alex escreveu uma “carta aberta” à distribuidora LifeWay, na qual afirma: “Eu não morri. Eu não fui para o Céu.” A carta foi postada no site Pulpit and Pen.

O livro de Malarkey é um de uma série de best-sellers sobre pessoas que afirmam ter ido para o céu e depois voltado. O mais conhecido é “Heaven is for real” [O céu é real], de Todd Burpo, best-seller número 1 do USA Today que foi transformado em filme.

“The Boy Who Came Back from Heaven” [O garoto que voltou do céu] alcançou a posição número 46 na lista do USA Today.

Segundo a descrição da editora do livro, “em 2004, Kevin Malarkey e seu filho de 6 anos de idade, Alex, sofreram um terrível acidente de carro. O impacto do acidente deixou Alex paralisado – e, em termos médicos, era improvável que ele pudesse sobreviver. ‘Eu acho que Alex partiu para estar com Jesus’, um amigo disse ao pai aflito. Mas dois meses depois, Alex acordou do coma com uma história incrível para compartilhar. Sobre eventos na cena do acidente e no hospital, enquanto ele estava inconsciente. Sobre anjos que o levaram através dos portões do próprio céu”.

Mas, em sua carta aberta, Alex escreveu: “Eu disse que fui para o céu porque pensei que iria chamar a atenção. Quando fiz as declarações que fiz, eu nunca tinha lido a Bíblia. As pessoas têm lucrado com mentiras, e continuam a lucrar… Elas devem ler a Bíblia. Ela é suficiente. A Bíblia é a única fonte da verdade. Qualquer coisa escrita pelo homem não pode ser infalível.”
Ele também disse: “Por favor, perdoem a brevidade (da carta), mas por causa das minhas limitações (médicas), eu tenho que mantê-la curta.”

Fonte: DeseretNewsNational

Nota deste blogue:

“Eu nunca tinha lido a Bíblia”. A falta de estudo da Bíblia tem levado muitas pessoas (cristãos inclusive) aos mais variados (e populares) enganos em relação à morte. Os que leem a Palavra de Deus, porém, sabem que ela faz distinção muito clara entre o estado dos que estão vivos e o dos que já “dormiram” (expressão da própria Bíblia): “Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma” Eclesiastes 9:5; “Os mortos não louvam o SENHOR…” Salmos 115:17 “A sepultura não te pode louvar…Os vivos, somente os vivos, esses te louvam como hoje eu o faço” Isaías 38:18-19. Além de nos alertar do perigo dos falsos ensinos e de “sinais e prodígios da mentira”, a Palavra de Deus nos assegura que a situação dos mortos [de inexistência e, obviamente, inconsciência] permanecerá inalterada até o momento futuro de restauração e julgamento – a ressurreição: “Não fiquem admirados com isto, pois está chegando a hora em que todos os que estiverem nos túmulos ouvirão a sua voz e sairão…Porquanto a vontade daquele que me enviou é esta: Que todo aquele que vê o Filho, e crê nele, tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia.” João 5:28 e 29; 6:40).

Como afirmado acima pelo personagem que se retratou, os cristãos devem se voltar para a Bíblia. Nela encontrarão luz suficiente e forças para aguardar a verdadeira e “bendita esperança”, quando “o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão…” 1 Tessalonicenses 4:16.