Publicado em ciência, Conferências, Perguntas e Respostas, Reflexões, Vídeos

Dez Respostas Rápidas para Clichês Ateístas

Você não precisa ler centenas de livros para discutir sua fé com um ateu. Algumas vezes, afirmações e questões que são apenas chavões curtos podem ser respondidas também de forma curta, com a mesma rapidez. Na “Conferência dos Evangelistas” (2014), em Londres, o Professor John Lennox ofereceu algumas respostas rápidas a algumas declarações comuns de ateus [aqui acrescentadas de alguns links para postagens correlatas deste blogue] .

1) Você não acredita em Zeus, Thor e todos os outros deuses. Eu apenas vou um passo/deus a mais do que você e rejeito o Deus cristão.

O problema com esta ideia é que “deuses” como Zeus e Thor não são comparáveis ​​com o entendimento bíblico de Deus.

“Há uma grande distinção entre todos os deuses antigos do oriente próximo e o Deus da Bíblia”, diz o Prof. Lennox. “Aqueles são produtos da massa e da energia primordial do universo. O Deus da Bíblia criou os céus e a terra.” [A Bíblia entre os mitos: que diferença!]

2) A ciência já explicou tudo, e ela não inclui Deus.

A ciência não pode responder a certos tipos de questões, tais como “o que é ético?” e “o que é belo?” Mesmo quando se trata de questões sobre o mundo natural, que a ciência explora e às quais, por vezes, pode responder, existem diferentes tipos de explicações para coisas diferentes.

“Deus não compete com a ciência como uma explicação do universo mais do que Henry Ford compete com a lei de combustão interna como uma explicação do automóvel”, diz o professor.

3) A ciência se opõe a Deus.

Há certas concepções de “deus” que podem ser opostas à ciência, mas não a do Deus cristão. Pode haver certos tipos de “deuses” que são inventados para explicar coisas que não entendemos, mas eles não são cristãos.

“Se nos é oferecida uma escolha entre ciência e ‘deus’… não se trata de um conceito bíblico de Deus”, diz o prof Lennox. “O Deus bíblico não é um deus das lacunas, mas um Deus de todo o conjunto. Os fragmentos que entendemos [pela ciência] e aqueles que não entendemos.”

“Entre muitos pensadores proeminentes, a ideia deles sobre Deus é completamente pagã. Se você definir Deus como sendo um ‘deus’ das lacunas, então você tem mesmo que oferecer uma escolha entre ciência e ‘deus’”. [Cristianismo, Ciência e o Obscurantismo do Século XXI]

4) Você não pode provar que há um Deus.

Este tipo de declaração ignora que existem diferentes tipos de “prova”.

“Você pode provar que existe um Deus?” pergunta o Prof. Lennox. “Em sentido matemático, não.  Mas provar qualquer coisa [ não apenas a existência de Deus] é muito difícil. A palavra ‘prova’ tem dois significados. Há o significado rigoroso em matemática, que é muito difícil de fazer e raro. Mas depois há o outro sentido – que é ‘provar’ além da dúvida razoável.

Esse é o tipo de ‘prova’ que podemos apresentar: argumentos para levar alguém para além da dúvida razoável. Por exemplo, os argumentos racionais, como os dos filósofos Alvin Plantinga e William Lane Craig [Ex.: O Argumento Moral e o Ajuste Fino do Universo], a experiência pessoal dos cristãos e o testemunho dos relatos dos evangelhos na Bíblia.” [Cinco Razões Por Que os Historiadores Levam os Evangelhos a Sério]

5) Fé é acreditar sem nenhuma prova.

A fé cristã nunca foi sobre não ter nenhuma prova: os evangelhos foram escritos para fornecer provas, como o início do evangelho de Lucas: “Muitos já se dedicaram a elaborar um relato dos fatos que se cumpriram entre nós, conforme nos foram transmitidos por aqueles que desde o início foram testemunhas oculares e servos da palavra. Eu mesmo investiguei tudo cuidadosamente, desde o começo, e decidi escrever-te um relato ordenado…” (Lucas 1:1-3).

O fim do evangelho de João diz: “Estas coisas foram escritas para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome” (João 20:31).

Mas acreditar sem provas é uma noção comum de “fé” hoje em dia. “Essa definição está no dicionário e é acreditada por muitos”, diz o Prof. Lennox. “Então, quando falamos sobre a fé em Cristo, eles acham que isso é porque não há nenhuma prova. [O fato, porém, é que o evangelho de João mostra que] o cristianismo é uma fé baseada em provas.” [Jesus é Evidência de que Deus Existe]

6) A fé é uma ilusão. Eu não acreditaria em Deus mais do que no coelhinho da Páscoa, no Papai Noel ou no Monstro de Espaguete Voador.

Essas idéias se tornaram populares por meio de pessoas como o professor Richard Dawkins. A única coisa a que se prestam é à zombaria [e, como se sabe, zombaria não é argumento].

“Declarações de cientistas nem sempre são declarações da ciência”, afirma o Prof Lennox. “Stephen Hawking diz: ‘A religião é um conto de fadas para pessoas com medo do escuro’. Eu digo: ‘O ateísmo é um conto de fadas para pessoas com medo da luz’.

“Nenhuma destas afirmações prova nada. Elas são todas reversíveis. O que está por trás de todas essas afirmações é a ideia freudiana do “wish fulfilment” [a de que acreditamos naquilo que esperamos ser verdade].  Do lado ateísta, vai funcionar muito bem desde que provido que não há nenhum deus . Mas se há um Deus [e sabemos que Ele existe e é a Causa primeira], então o ateísmo é que é “wish fulfilment”.

7) O cristianismo afirma ser verdade, mas há grande quantidade de denominações, e todas elas discordam umas das outras. Por isso, o cristianismo deve ser falso.

Por que a existência de denominações implica que o Cristianismo seja falso? Isso poderia implicar que os cristãos têm personalidades e culturas muito diferentes – ou mesmo que os cristãos não são bons em relacionar-se uns com os outros – mas não que o cristianismo não é verdadeiro.

“Há diferentes tipos de equipes no futebol, mas todos elas jogam futebol”, afirma o Prof. Lennox.

8) A Bíblia é imoral.

Se você quer questionar a moralidade da Bíblia, que base essa sua moralidade possui? Pode haver uma séria contradição no bojo das críticas ateístas. Dawkins escreveu: “Num universo de elétrons e genes egoístas, de forças físicas cegas e de replicação genética, algumas pessoas vão se machucar, outras pessoas vão ter sorte, e você não vai encontrar nenhuma rima nem razão para isso, nem qualquer tipo de justiça. O universo que observamos tem precisamente as propriedades que são de se esperar que ele tenha, dando-se a premissa de que não existe nenhum desígnio, nenhum propósito, nenhum mal, nenhum bem, nada além de impiedosa indiferença”.

Se isso é verdade, então por que ele questiona a moralidade de qualquer coisa? “Dawkins diz que a fé é má”, diz Lennox. “Mas, ao mesmo tempo, ele elimina as categorias do bem e do mal. Isso não faz sentido.” [Sete Erros Fatais do Relativismo Moral]

9) Com certeza você não toma a Bíblia literalmente?

Alguns ateus (e alguns cristãos) têm uma idéia muito preto e branco de como interpretar a Bíblia. Você tem que tomá-la ‘literalmente’ ou lançá-la longe, eles pensam. Isso é ignorar a realidade da linguagem e como ela reflete a verdade.

“Jesus disse: ‘Eu sou a porta’”, diz o Prof. Lennox. “Jesus é uma porta como uma porta ali? Não. Ele não é um porta literal, mas é uma verdadeira porta para uma verdadeira experiência com Deus. A metáfora representa a realidade. A palavra “literal” é inútil.”

10) Qual é a evidência para Deus?
Você pode debater a existência de Deus ad infinitum. Pode ser muito interessante, especialmente quando você entra em detalhes e explora o assunto em profundidade. Mas, para um ateu, ele pode estar perdendo o ponto essencial ou evitando a verdadeira questão [Ou certas reflexões: Mesmo que Eu Fosse um Ateu, Eu Seria um Cristão]. O Prof. Lennox aconselha fazer a pergunta mais importante:

“Suponha que eu pudesse dar evidência de Deus. ​​Você estaria preparado, agora, para se arrepender e confiar em Cristo?”

Claro que existem respostas mais profundas para todas esses clichês. Você pode encontrar muitas dessas respostas em vídeos de debates, como este entre Lennox e Dawkins:

http://www.youtube.com/embed/DxD-HPMpTto

Fonte: Christiantoday

 

 

 

Anúncios
Publicado em ciência, Conferências, Perguntas e Respostas, Pesquisas, Reflexões

Os Estudos em Torno da Origem da Vida Estagnaram por um Motivo Bem Simples

Genes
Ninguém consegue dizer donde veio a informação biológica necessária. Na conferência com o nome “Origin of Biological Information” ficamos a saber que os estudos em torno da origem da vida (ODV) não têm tido avanço. Eis o que a introdução dos artigos agora publicados diz em torno da ODV. Os meus comentários pelo meio:

A origem da vida é o problema mais incómodo com o qual a ciência actual se depara.

Na verdade, não é a “ciência” que tem problemas com as questões em torno da vida mas sim o naturalismo filosófico. Esta filosofia defende que nada mais existe para além do mundo “natural” (seja lá o que isso for). Devido a esta posição de fé, quando se fala na origem da vida, os evolucionistas encontram-se voluntariamente fechados numa prisão ideológica da qual se recusam a sair sob pena de serem qualificados de “inimigos da ciência”.

Por outro lado, se nos libertamos destes constrangimentos não-científicos, e analisarmos os dados disponíveis à luz da Bíblia, os “problemas” desaparecem e a realidade fica com uma explicação que está de acordo com as observações.

 Este problema [a origem da vida] tem resistido a todas explicações reducionistas. Todas as tentativas de se gerar a vida através da bioquímica revelaram-se insuficientes.

Espaço

Por que será? Há mais de 50 anos que os naturalistas tentam desesperadamente entender como é que a vida surgiu segundo causas puramente “naturais”. Todas as experiências falharam. Seria de esperar que eles levassem esses falhanços naturalistas (e não falhanços da ciência) e colocassem de lado as suas crenças cardinais (naturalismo, ateísmo, etc). Em vez disso, muitos “cientistas” continuam a investir elevadas somas de dinheiro (dos contribuintes?) numa hipótese falhada, enquanto outros começam a acreditar am algum tipo de causação inteligente, mas de extra-terrestres.

Todas as tentativas de se dar início à vida através da química revelaram-se insuficientes. Será que, apesar da química servir de meio de transporte para a informação biológica, é a informação em si uma mensagem capaz de ser transportada independentemente do meio de comunicação? Será que a informação é uma entidade real – tão real como os componentes químicos, embora não redutíveis para o nível desses mesmos componentes – e, atrevendo-nos a dizer, será que ela pode ter uma causa inteligente?

Neste ponto a nota introdutória começa a mover-se mais para o lado do criacionismo e da ciência ao dar a entender uma aceitação leve da natureza não-física (imaterial) da informação. O que o texto pergunta é se a informação biológica é distinta do meio através da qual essa informação é transportada. A resposta é mais do que óbvia.

Para se ver o quão óbvia a resposta a a questão é, basta perguntar: de quantas formas é possível alguém dizer “bom dia” a outra pessoa? Pode dizer em linguagem gestual, ou escrever numa papel, ou escrever num teclado, ou dizer num outro idioma. Esta mensagem pode ser transmitida das mais variadas formas físicas sem que ela perca o significado. Disto se infere que, de facto, a informação é independente da química e da física.

Disto se infere também que a informação biológica não tem origens materiais e físicas, mas origens que estão para além do mundo tangível (físico).Isto não prova a existência de Deus, mas é uma evidência muito forte em Seu favor.

Origem da Vida

É precisamente por isso que os evolucionistas tentam desesperadamente minimizar a componente informática dos sistemas biológicos, afirmando que o uso da palavra informação não significa que ela tenha o mesmo significado que ela tem no resto da existência humana. Mas isso é uma coisa que eles têm que demonstrar; nós criacionistas aceitamos a terminologia usada por eles mesmos (“informação”), e desafiamos a comunidade evolucionista a explicar a origem da vida sem uma Causa Inteligente.

Aceitamos que isto [causa inteligente] é uma possibilidade possibilidade especulativa, mas num campo repleto de especulação, qual é o motivo para se permitir um conjunto de especulações (aquelas que estão de acordo com a perspectiva antiga) ao mesmo tempo que se rejeitam outras especulações (aquelas que abrem novas portas) ?

O que os editores estão a questionar é o porque de se rejeitar a especulação que envolve algum tipo de causação inteligente na origem da vida, ao mesmo tempo que se aceitam outros tipos de especulações apenas e só porque estas últimas estão de acordo com a forma de vista mais antiga. A resposta é a mesma já dita em cima e é também bastante simples: se a origem da vida envolve algum tipo de design inteligente, então isso é uma evidência poderosa para a visão Bíblica do mundo.

Os evolucionistas estão bem cientes disso, e como tal rejeitam à priori qualquer hipótese que envolva o design inteligente. O facto desta posição estar de acordo com os dados da ciência é irrelevante para os evolucionistas.

As pessoas que contribuíram para este volume não estão a disponibilizar qualquer tipo de resposta. Em vez disso, eles apenas estão a lançar questões incisivas precisamente no sítio onde a perspectiva antiga falhou em fornecer um ponto de partida para o entendimento da origem da informação biológica.

Darwin Shiu

Ou seja, o motivo que leva os autores a colocar o design inteligente como uma das hipóteses a ser considerada no estudo da ODV prende-se com o falhanço absoluto das antigas respostas naturalistas. Como o naturalismo falhou, então os cientistas estão em busca de respostas mais adequadas. Se eles tivessem lido o primeiro capítulo do Livro de Génesis não estariam nessa posição incómoda.

Conclusão:

Para nós Cristãos o facto das teorias naturalistas em torno da ODV estarem sem qualquer tipo de avanço é confirmação do que diz a Palavra de Deus:

Digno és, Senhor, de receber glória, e honra, e poder; porque Tu criaste todas as coisas, e por Tua vontade são e foram criadas. Revelação 4:11

A vida biológica é o efeito da Vontade Sobrenatural de Deus – e não o efeito das forças da Química e da Fisica. Devido a isso, procurar respostas naturalistas para a origem da vida é desenvolver esforços numa hipótese errada.

Pode ser que à medida que a ciência vai avançado, a posição evolucionista/ateísta se torne cada vez mais embaraçosa, e os evolucionistas ateus se vejam forçados a practicar a sua fé em Darwin longe da vista de quem está minimamente informado dos dados da ciência.

Se por acaso algum evolucionista menos informado erradamente alegar que a origem da vida é um assunto “distinto” e “separado” da teoria da evolução, recomendo a leitura deste texto: -> É a abiogénese irrelevante para a teoria da evolução?

Fonte: Darwinismo (Portugal)
Publicado em ciência, Conferências, Notícias, Pesquisas

A Realidade sobre o Fragmento Copta “Esposa de Jesus”: Fatos, Probabilidades e Possibilidades

Houve um grande alvoroço em torno do fragmento copta recém-descoberto, ou melhor, recentemente anunciado, que fala de Jesus como sendo casado.

[…] Mas, no final das contas, o que temos de concreto?

Seguem alguns fatos, algumas probabilidades e algumas possibilidades.

Os Fatos

1. A professora Karen King, da Harvard Divinity School, apresentou um trabalho na Associação Internacional de Estudos Coptas em Roma, na terça-feira, 18 de setembro, tornando público um fragmento de papiro que afirmava explicitamente que Jesus tinha uma esposa. Ela teve acesso a esse fragmento por meio de um proprietário anônimo, que lhe deu permissão para publicar o texto.
2. O fragmento está escrito em copta saídico,  uma língua antiga que tem raízes no século III d.C. O saídico é o dialeto mais antigo da língua copta.
3. O papiro foi usado como um meio de escrita até o século VII; por isso, se autêntico, este fragmento deve ser datado entre o terceiro e sétimo século d.C.
4. Ele menciona especificamente ‘Jesus’ pelo nome duas vezes, e faz isso de uma forma a indicar que a referência é, de fato, a Jesus de Nazaré. Isso é evidente pelo fato de que o nome  ‘Jesus’ é escrito como um nomen sacro – ou  nome sagrado – à maneira de todos os manuscritos gregos do Novo Testamento, como uma abreviatura. Na segunda linha, do lado direito e abaixo, no meio da quarta linha, vemos o que parece ser “IC” em letras maiúsculas. Estas são as letras iota e sigma. Há uma linha acima das letras, indicando um nome sagrado. Esta linha supralinear indica que o leitor não deve interpretar isso como uma palavra, mas sim como uma abreviatura. Essa era a prática em cerca de 15 palavras diferentes nos manuscritos do NT, sendo  ‘Jesus’ uma das primeiras palavras abreviadas dessa maneira.
5. O fragmento é um retângulo bastante claro, com falta de texto em todos os quatro lados. A parte superior do fragmento parece cortado de maneira especialmente clara, sendo quase uma linha reta. Isto é bastante atípico para papiros antigos e pode ter implicações na forma como devemos analisá-lo.
6. Jesus definitivamente diz “minha esposa” no fragmento. Ele também diz: “Minha mãe me deu a vida” e “ela será capaz de ser meu discípulo.” O antecedente de “ela” não é claro, mas provavelmente se refere à  “esposa” mencionada na seção anterior.
7. Embora a professora King tenha dado ao fragmento o nome de “O Evangelho da esposa de Jesus”, isso é intencionalmente provocativo. Simplesmente não há material suficiente (oito linhas no anverso, algumas palavras visíveis no verso) para chamá-lo de alguma forma um evangelho, e muito menos o evangelho da esposa de Jesus! Seria mais correto chamá-lo de “O Fragmento sobre relações de Jesus” (por isso o comentário anônimo postado no site da Tyndale House [Cambridge], na quarta-feira, setembro 19, 2012), já que não há provas de que ele é um evangelho e pelo menos dois membros da família são mencionados (a esposa de Jesus e a mãe de Jesus).
8. A escrita não é nem literária (feita por um escriba profissional) nem mesmo documentária. Nem sequer parece ter sido feita com um stylus (estilete ou “caneta”), já que é muito grosseira. Em vez disso, parece ter sido “pincelada”. Exemplos paralelos disso não são facilmente encontrados nos escritos coptas de qualquer período.
9. Será que este fragmento prova que Jesus foi casado? A resposta é um enfático não. No máximo, ele só pode nos dizer o que um grupo de “cristãos” (entre aspas) no meio do século II pensava. Mas não diz nada sobre a história verdadeira, sobre Jesus de Nazaré.
10. O fragmento tem semelhanças com o Evangelho de Tomé (apócrifo), que a maioria dos estudiosos data como sendo de meados do século II. A citação do Evangelho de Tomé, 114, é especialmente parecida com partes do texto do fragmento, o mesmo ocorrendo com outra seção do mesmo evangelho (101).  Evangelho de Tomé, 101: “Minha mãe me deu a vida verdadeira”; fragmento, anverso, linha 1: “Minha mãe me deu a vida”. Evangelho de Tomé,  114: “Simão Pedro disse-lhes:” Que Maria saia de nosso meio, pois as mulheres não são dignas da Vida “; fragmento, anverso, linha 3: “Maria é digna dela”. Mas o que deve ser mantido em mente é que no Evangelho de Tomé, 114, Jesus continua: “Eis que vou guiá-la para fazê-la macho, para que ela se torne também espírito vivo semelhante a vós, machos.”  O que quer que isto signifique, é pouco provável que seja um endosso de casamento ou até mesmo de mulheres como mulheres. A afirmação do Evangelho de Tomé, 114, é, na verdade, uma declaração politicamente incorreta que ninguém deve abraçar hoje como representando a verdadeira fé cristã.
11. A proveniência, a história e a propriedade do fragmento são desconhecidas. Isso cria uma boa dose de desconfiança por parte da comunidade acadêmica quanto à sua autenticidade.

12. Segue o que diz o texto (as lacunas indicadas com colchetes):

Anverso:
 
1. “não [para] mim. Minha mãe me deu a vi[da…”
2. os discípulos disseram a Jesus: “[
3. negar. Maria é digna de… [alguns sugerem que o correto seria: “Maria não é digna de…]”
4. …” Jesus disse a eles: “Minha esposa… [
5. …ela  será capaz de se tornar um discípulo… [
6. Deixe os iníquos incharem… [
7. Quanto a mim, eu moro com ela de modo que… [
8. uma imagem [
 
Verso:
 
1. minha mã[e
2. três [
3. … [
4. Diante do qual …
5. traços de tinta ilegíveis
6. traços de tinta ilegíveis

13. Embora Maria (Madalena) seja mencionada na linha 3 e Jesus fale de “minha esposa” na linha 4, devido à  natureza fragmentada do Manuscrito não se pode determinar positivamente que Jesus está dizendo que Maria era sua esposa. Esta é uma inferência, e uma inferência provável, mas sem provas. A prova está nas porções de texto que ou não foram preservadas ou, mais provavelmente, foram cortadas por um revendedor moderno. As razões por que foram cortadas continua sendo uma questão especulativa (veja abaixo).

As probabilidades

1. Os quatro lados do fragmento sugerem que ele foi cortado desta forma, em tempos modernos, provavelmente pelo revendedor do fragmento, a fim de obter mais dinheiro de vários fragmentos recortados da mesma forma. Esta é a conclusão  a que chegou Roger Bagnall, da Universidade de Nova York. Mas isso levanta a questão: Foi este fragmento cortado por causa do resto do texto, que poderia dar um contexto em que a frase polêmica que fala da esposa de Jesus teria outro sentido que não o de  uma mulher literal? Dirk Jongkind da Universidade de Cambridge usou esta analogia como uma possibilidade: “Nós todos temos nossos exemplos favoritos daqueles sedutores anúncios publicitários da perfeita casa de férias, aqueles que conseguem fazer desaparecer aquela refinaria de petróleo no horizonte, as linhas de alta tensão, ou a rodovia que passa atrás da propriedade. Aqui temos um fragmento que foi deliberadamente alterado, ‘muito provavelmente’ por um revendedor moderno buscando maximizar o lucro, ao esconder ‘alguma coisa’.  E esta ‘coisa’ poderia muito bem estar para o fragmento como a refinaria de petróleo está para o anúncio:  pode ser um detalhe que afetava o valor deste fragmento negativamente. O fragmento pode ter sido recortado na forma como está agora a fim de induzir o leitor a uma determinada interpretação.” (postado no site The Evangelical Textual Criticism na quinta-feira, 20 de setembro de 2012).

2. A data atribuída ao papiro – século IV –  é em grande parte um palpite. Manuscritos coptas são notoriamente difíceis de datar. Roger Bagnall, da Universidade de Nova York, e AnneMarie Luijendijk, da Universidade de Princeton, têm defendido essa data e a autenticidade do documento. Scott Carroll, da Universidade de Oxford, data-o como sendo da primeira metade do século V, se se tratar de documento autêntico. Tem-se falado sobre o uso de carbono-14 para datar o fragmento com mais precisão, mas como o procedimento destruiria parte do texto, isso tem sido desencorajado.

No entanto, existe um método relativamente novo para datar manuscritos que é não-destrutivo. E não vi qualquer discussão sobre isso nos relatórios. Desenvolvido pelo Dr. Marvin Rowe, da A & M University, e seu assistente de doutorado, o professor Karen Steelman, o método utiliza uma câmara de plasma que não danifica o artefato. (Veja: Marvin W. Rowe and Karen L. Steelman, “Non-destructive 14C Dating: Plasma-Chemistry and Supercritical Fluid Extraction,” March 2010, ACS National Meeting 2010.)  Então, seria de fato possível obter uma data segura para este fragmento sem destruir nenhuma parte do texto. Seria interessante ver se a professora King e o proprietário anônimo permitiriam a utilização desse método para obter uma melhor correção na data e, especialmente, para dissipar quaisquer sugestões de inautenticidade.

3. Karen King disse que embora o fragmento seja do século IV, o texto é mais provavelmente de meados do século II, com base em idéias semelhantes que circulavam em textos gnósticos e outros. Mas isso é difícil de avaliar, especialmente porque quase nenhum contexto é dado para as palavras de Jesus, e nada se sabe sobre a origem do fragmento ou que outros manuscritos foram encontrados com ele.

As possibilidades

1. O manuscrito é uma farsa. O Dr. Christian Askeland, presente na conferência da Associação Internacional de Estudos Coptas em Roma, observou que cerca de dois terços dos participantes estavam muito céticos em relação a autenticidade do papiro, enquanto um terço estava “essencialmente convencido de que o fragmento é uma farsa.” Askeland disse não ter encontrado ninguém na conferência que considerasse o fragmento autêntico (publicado no site da crítica textual evangélica na quarta-feira, 19 de setembro, 2012). Isso presumivelmente não inclui a Professora King. Um relativo número de notáveis coptologistas julgaram-no um documento falso ou expressaram fortes reservas, incluindo Alin Suciu, da Universidade de Hamburgo, Stephen Emmel, da Universidade de Münster, Wolf-Peter Funk, da Universitade de Laval, em Quebec, Sadak Hany, Diretor-geral do Museu Copta do Cairo, Carroll Scott, bolsista sênior do Grupo de Pesquisa de Manuscritos, de Oxford, e David Gill, da Universidade de Suffolk.

2. Se o manuscrito for autêntico, o texto pode ser ou  a) não gnóstico, uma vez que contradiz a visão gnóstica básica do mundo material; b) gnóstico, embora com uma outra interpretação do casamento que não a ligação física entre um homem e uma mulher (no apócrifo Evangelho de Filipe, “a relação entre Jesus e Maria [Madalena] é uma alegoria da reunião da alma com Deus na câmara nupcial, isto é, a salvação”; o mesmo ocorre em outro apócrifo, o Evangelho de Maria [Simon Gathercole, da Universidade de Cambridge, em entrevista no site da Tyndale House/Cambridge, na quarta-feira, 19 de setembro de 2012]); c) ortodoxo, mas metaforicamente referindo-se à igreja como a esposa de Jesus (uma visão já afirmada no Novo Testamento – implícita em Efésios 5:23-27 e explícita em Apocalipse 19:7); d) proveniente de um grupo “cristão” derivado, que oferecia alguma reação contra o ascetismo crescente de ortodoxos no final do século II, quando o casamento foi um pouco mal visto, ou e) parabólico ou metafórico, com algum outro referente em mente.

3. Nem mesmo a professora King sugere que este fragmento significa que Jesus tivesse uma esposa (e King não é conhecida por suas posições conservadoras!): “Sua possível data de composição, na segunda metade do século II, argumenta contra o seu valor como evidência para a vida do Jesus histórico.” Se o fragmento remonta à tradição do segundo século, devemos ter em mente que há um mundo de diferença entre o Cristianismo apostólico do primeiro século e os vários grupos que se levantaram após esse período inicial.

Fonte: Daniel Wallace   – Daniel Wallace  é professor de Estudos do Novo Testamento no Dallas Theological Seminary e Diretor Executivo do Center for the Study of New Testament Manuscripts.
 
 
 
 
 
 
Publicado em ciência, Conferências, Eventos, Notícias, Palestras, Pensamentos, Reflexões

Ben Carson, Emory e a Moralidade da Evolução

Dr. Ben Carson

Em artigo publicado no The Baltimore Sun, Richard Weikart, professor de História na California State University, explica por que o protesto esboçado na Universidade de Emory contra Ben Carson, o proeminente neurocirurgião que contesta a teoria da evolução, é equivocado (Weikart é autor do livro From Darwin to Hitler: Evolutionary Ethics, Eugenics, and Racism in Germany).

Antes de passar ao texto do Dr. Richard, acredito ser útil, para efeito de contextualização, ressaltar algumas palavras usadas por Ben Carson na entrevista que teria sido a fonte da “consternação”:

“By believing we are the product of random acts, we eliminate morality and the basis of ethical behavior.” (Ao crer que somos o produto de “atos do acaso”, eliminamos a moralidade e o fundamento do comportamento ético.)

Ultimately, if you accept the evolutionary theory, you dismiss ethics, you don’t have to abide by a set of moral codes…, you determine your own conscience based on your own desires. (Em última análise, se você aceita a teoria da evolução, dipensa a ética, não precisa defender um conjunto de códigos morais e determina sua própria consciência baseada nos próprios desejos.)

Segue, então, o que o professor Weikart escreveu sobre o assunto:

Quase 500  professores e estudantes da Emory University expressaram sua consternação em razão de que o orador de segunda-feira não segue a linha ideológica deles quando se trata de biologia evolutiva. Sim – suspiro –, Ben Carson, o renomado neurocirurgião da Universidade de Johns Hopkins, não acredita na teoria evolutiva. Não só isso: os professores de biologia de Emory e apoiadores também acusam o Dr. Carson de cometer um crime de pensamento, porque ele supostamente “iguala a aceitação da evolução com falta de ética e moralidade”.

Como sou um historiador que estudou e publicou sobre a história da ética evolucionista, fiquei bastante surpreso com a “consternação” dos membros da Universidade Emory  sobre a crença do Dr. Carson de que a evolução mina a ética e a moralidade objetiva. No verão passado, eu assisti a uma grande conferência interdisciplinar da Universidade de Oxford sobre “A Evolução da Moralidade e a Moralidade da Evolução”. Assim, estou bem ciente de que há uma variedade de pontos de vista na academia sobre o tema. No entanto, muitos evolucionistas, desde a época de Darwin até o presente (incluindo um bom número nessa conferência  em Oxford), têm argumentado e ainda estão discutindo precisamente o ponto que o Dr. Carson levantou: eles afirmam que a moralidade evoluiu e, portanto, não tem existência objetiva.

Um dos oradores na conferência de Oxford era o proeminente filósofo da ciência Michael Ruse, que afirmou em um artigo de 1985 em coautoria com o biólogo de Harvard E.O.Wilson: “Ética como a entendemos é uma ilusão imposta a nós por nossos genes para nos levar a cooperar.” Por que os biólogos de Emory tentam fazer com que o Dr. Carson pareça um  tolo por afirmar que a evolução enfraquece a ética, enquanto um dos biólogos evolucionistas e um dos principais filósofos da ciência admitem que a evolução destrói qualquer moralidade objetiva? O professor Wilson em seu livro “Consilience”, argumentou: “Ou preceitos éticos, como justiça e direitos humanos, são independentes da experiência humana, ou então eles são invenções humanas.” Ele rejeitou a primeira explicação, à qual chamou de ética transcendentalista, em favor da última, que chamou de ética empirista.

Todo o campo da sociobiologia, que é um campo vigoroso da biologia fundada pelo Sr. Wilson na década de 1970, pressupõe que a moralidade é o produto de processos evolutivos e tenta explicar a maioria dos comportamentos humanos, descobrindo a sua alegada vantagem reprodutiva na luta evolutiva pela existência (mesmo alguns evolucionistas consideram algumas dessas histórias do tipo “contos de fada” especulativas ou mesmo simplesmente ridículas). Sociobiólogos, e seus colegas no campo relacionado da psicologia evolutiva, explicaram que muitos comportamentos pecaminosos, variando do adultério ao infanticídio, ao aborto, à guerra, ao homossexualismo – e muitos, muitos outros –, evoluíram porque conferiram vantagens reprodutivas  àqueles que praticam esses comportamentos. Por outro lado, eles também argumentam que os comportamentos altruístas, como ajudar os pobres, curar os enfermos e cuidar das pessoas com deficiência, são simplesmente comportamentos que ajudaram nossos antepassados a transmitir os seus genes para a próxima geração.

A idéia, no entanto, de que a evolução mina padrões morais objetivos dificilmente é uma descoberta recente da sociobiologia. Em “Descent of Man”, Charles Darwin dedicou muitas páginas para discutir a origem evolutiva da moralidade, e ele reconheceu o que isso significava: a moralidade não é objetiva, não é universal, e pode mudar ao longo do tempo. Darwin certamente acreditava que a evolução tinha implicações éticas.

Ben Carson, então, dificilmente deveria ser denunciado por argumentar que a evolução tem implicações éticas e que isso prejudica a moralidade. Se os professores da Universidade Emory querem argumentar que a evolução não tem implicações éticas, eles são livres para fazer esse argumento (eu me pergunto quantos deles realmente acreditam nisso). No entanto, se o fizerem, eles precisam reconhecer que não estão apenas argumentando contra “ignorantes” anti-evolucionistas, mas estão argumentando contra muitos de seus adorados colegas  na biologia evolutiva, incluindo o próprio Darwin.

Os graduandos da Emory University devem se sentir honrados em receber um discurso do Dr. Carson. Além do óbvio – sua técnica cirúrgica e perícia médica revolucionárias, que lhe renderam uma posição em um dos hospitais acadêmicos mais prestigiados nos Estados Unidos –, sua história de vida de superação da pobreza e sua dedicação posterior à filantropia servem de exemplo e inspiração. Sua disposição de abraçar corajosamente idéias que ele considera verdade, apesar do ridículo que lhe é direcionado, deve contar como outro ponto a seu favor.

 
Publicado em ciência, Conferências, Perguntas e Respostas, Pesquisas

A Postura Contorcida de Fósseis de Dinossauros e o Dilúvio

A posição da cabeça e do pescoço neste fóssil é comum entre os  fósseis de dinossauros (créditos: clique na imagem – Wikipedia)

Fósseis de dinossauros relativamente completos são bastante raros. Além disso, fósseis em que os ossos são essencialmente preservados em disposição apropriada (chamados de fósseis totalmente articulados) são ainda mais raros. No entanto, entre esses fósseis raros, totalmente articulados, existe uma característica comum: a cabeça é frequentemente lançada para trás, e o pescoço curvado, como mostrado no fóssil acima. Isso é tão comum que tem seu próprio termo científico: é a chamada postura opistotônica. Por ser tão comum entre fósseis de dinossauros, tem sido reconhecida há muito tempo. Na verdade, a primeira referência a ela na literatura científica pode ser atribuída a um jornal alemão que foi escrito por A. Wagner por volta de 18591. Desde então, os paleontólogos têm tentado descobrir o que causa essa “pose da morte” incomum.

Essa investigação gerou muita especulação, mas, por fim, um estudo publicado em 2007 aparentemente teria resolvido a questão. Foi feito por uma veterinária,  Dra. Cynthia Marshall Faux, e um paleontólogo de vertebrados, Dr. Kevin Padian. De fato, parece uma equipe perfeita para descobrir o que estaria acontecendo. A veterinária entenderia as várias características fisiológicas e anatômicas dos vertebrados vivos e como elas mudariam durante o processo de morte, e o paleontólogo, os detalhes sobre o processo de fossilização. A conclusão deles foi:2

Não se trata de contração postmortem, mas espasmos musculares perimortem resultantes de várias aflições do sistema nervoso central que causam essas posturas extremas.

Assim, de acordo com Faux e Padian, a postura opistotônica ocorre em ou perto do momento da morte (perimortem) devido a problemas relacionados ao sistema nervoso central. Não tem nada a ver com o que acontece após a morte (postmortem). O estudo teve ampla divulgação na imprensa e foi considerado por alguns como a palavra final sobre o assunto.

Isso, até o ano passado. Em novembro de 2011, Alicia Cutler relatou os resultados de experimentos em que ela usou galinhas mortas para estudar os efeitos de diversas condições postmortem sobre a postura de restos esqueléticos. Ela descobriu que, quando galinhas mortas eram colocadas na areia, realmente nada acontecia com a postura de seus esqueletos. No entanto, quando galinhas mortas foram imersas em água doce, elas entraram na postura opistotônica em questão de segundos. Isso indica que a “pose da morte” de dinossauros fósseis pode ser o resultado de exposição postmortem a água . Eu vi a notícia linkada acima  não muito tempo depois que ela saiu, mas decidi não escrever sobre isso, pois os resultados foram apresentados em uma reunião. Eu geralmente gosto de ter um paper para ler antes de comentar sobre os estudos que foram feitos.

Bem, tanto quanto eu saiba, Cutler não escreveu um artigo sobre seus resultados, mas o sedimentologista Dr. Achim Reisdorf e o paleontólogo Dr. Michael Wuttke escreveram. Eles escreveram um documento circunstanciado sobre todo o trabalho que tem sido feito em relação a essa questão, bem como sobre as suas próprias experiências e investigações. Eles chegam a uma conclusão muito semelhante à de Cutler.

Em seu estudo, eles examinam dois fósseis muito bem preservados que apresentaram a postura opistotônica e decidem que o que veem não pode ser reconciliado com as conclusões de Faux e Padian. No entanto, essa análise contém muita especulação, o que os autores admitem. Para mim, o aspecto mais convincente de seu estudo é que eles realizaram experiências semelhantes, mas mais detalhadas, do que aquelas feitas por Cutler, enquanto continuam a dar crédito a Cutler pelo seu trabalho. Eles confirmam que, quando galinhas mortas são colocadas na água, elas rapidamente atingem a postura opistotônica, e eles ainda demonstram os detalhes anatômicos a respeito do por que isso acontece. Eles também confirmam que esses mesmos detalhes anatômicos são vistos nos dinossauros que são normalmente encontrados na postura opistotônica.

No final, eles concluem: 3

Do que foi apresentado acima, pode-se concluir que a formação da “postura opistotônica” em carcaças de répteis de pescoço longo e cauda longa depositadas subaquaticamente é o resultado de um processo postmortem… essa postura deve ser vista como um fenômeno normal que ocorre durante a incorporação gradual e subaquática destes tipos de carcaças.

Em outras palavras, agora, o fato de que tantos fósseis de dinossauros articulados são encontrados na postura opistotônica é provavelmente relacionado com alterações postmortem específicas que ocorrem como resultado de terem sido enterrados em sedimentos aquosos. Claro, isso se encaixa perfeitamente com a idéia de que esses fósseis de dinossauros são o resultado das ações de um dilúvio universal.

Referências:

1. Wagner A, “Über einige, im lithographischen Schiefer neu aufgefundene Schildkröten und Saurier,” Gelehrte Anz königl Bayer Akad Wiss 69:1-69, 1859.
2. Faux CM, Padian K, “The opisthotonic posture of vertebrate skeletons: post-mortem contraction or death throes?,” Paleobiolology 33:201–226, 2007.
3. Achim G. Reisdorf and Michael Wuttke, “Re-evaluating Moodie’s Opisthotonic-Posture Hypothesis in Fossil Vertebrates Part I: Reptiles—the taphonomy of the bipedal dinosaurs Compsognathus longipes and Juravenator starki from the Solnhofen Archipelago (Jurassic, Germany),” Palaeobiodiversity and Palaeoenvironments 92:119-168, 2012.

Fonte: Dr. Jay L. Wile (Proslogion)

 

Publicado em Conferências, Eventos, Livros

Livro do Mês: Depois do Dilúvio, Bill Cooper.

 

[Este mês vou sortear o livro Depois do Dilúvio entre os amigos visitantes do blogue e seguidores no Twitter (@Darcyy).]

Nunca ganho nada em sorteios. Mas essa regra foi recentemente desafiada durante o IX Seminário A Filosofia das Origens, realizado aqui em Brasília nos dias 1º e 2 de abril. Já no primeiro dia do evento, fui um dos contemplados com a superinteressante publicação da Sociedade Criacionista Brasileira Depois do Dilúvio, de Bill Cooper (Tradução do Dr. Ruy Vieira).

A proposta de Bill Cooper é descobrir de uma vez por todas se o registro bíblico, em especial o livro de Gênesis, é ou não digno de confiança. Ou, num nível mais detalhado de sua pesquisa, verificar se há congruência entre o registro das descendências dos antigos povos europeus e o registro do Gênesis: “Eu desejava verificar primeiramente se os mesmos patriarcas citados em Gênesis eram também evidenciados nas genealogias e crônicas mais antigas dos povos europeus, e queria também avaliar o nível em que esses povos tinham consciência de outros eventos mencionados no Gênesis.”  Cooper é cuidadoso tanto na coleta quanto na análise dos dados: “A parte importante desse teste é que o documentos e registros a serem consultados por mim tinham de provir de datas anteriores à época em que qualquer nação européia tivesse se convertido ao Cristianismo.” Ele expõe, então, um resumo das evidências que levantou em mais de vinte e cinco anos de pesquisa. Algumas imperfeições tipográficas podem ser encontradas aqui e ali no livro, mas o conteúdo dele é tão instigante que esses detalhes se tornam quase imperceptíveis, e nem conseguem desviar nossa atenção do assunto.

Enquanto recebia o brinde das mãos do Hipólito, um dos secretários da SCB, comentei que, como  já tinha o livro, arranjaria uma forma de repassá-lo a algum amigo interessado no tema. Só depois me veio a idéia de usar este espaço virtual aqui do blogue e do Twitter para isso (e agora pretendo fazer o sorteio de um novo livro a cada mês, agradecendo a cortesia da equipe da SCB por possibilitar este primeiro).

Então aqui vamos: para concorrer, 1) Cadastre-se aqui no blog para receber avisos de novos posts (preencha seu email no campo Email Subscription e clique em Sign me up! – na lateral, à direita) 2) Siga @Darcyy e 3) retuíte a mensagem, com o link:  “Dê RT Sorteio 25/4.Cadastrei-me no lerpracrer.wordpress.com para ganhar o livro do mês: Depois do Dilúvio,de Bill Cooper http://kingo.to/yEp“.

O sorteio será realizado no dia 25 de abril, a qualquer hora do dia, entre os que retuitarem (o custo de remessa sairá por nossa conta apenas para endereços no território nacional).

Abaixo um pequeno trecho do capítulo “A linhagem dos reis anglo-saxônicos”, para aguçar ainda mais a curiosidade do futuro ganhador (Boa sorte!):

Em 6 de julho de 1600, certo viajante elisabetano, Barão Waldstein, visitou o Palácio Lambeth em Londres, e seu diário relata que, em um dos aposentos, ele viu:

“…uma esplêndida genealogia de todos os reis da Inglaterra, e outra genealogia histórica, cobrindo todo o tempo desde o Princípio do Mundo.” (Groos, T.W. The Diary of Baron Waldstein.  Thames & Hudson. London. p. 61)

Posteriormente, passando pelo Palácio Richmond em 28 de junho, ele viu na biblioteca:

“…belamente escrita em um pergaminho, uma genealogia dos reis da Inglaterra que chega até a Adão.” (Groos. p. 169)

Genealogias como estas foram imensamente populares, e tão fascinantes para o público em geral quanto para os historiadores e outros eruditos. Como tabelas genealógicas, elas proveram um registro contínuo da história da humanidade desde a Criação, passando pela era pós-diluviana, e chegando aos tempos modernos. Entretanto, foram exatamente esses atributos que tornaram esses registros impalatáveis a certos estudiosos que apreciavam chamar a si mesmos de Racionalistas, e que a partir do século XVIII procuraram substituir esses registros históricos por certas noções anti-bíblicas elaboradas por eles próprios. Tão bem foram eles sucedidos nesse objetivo, que hoje dificilmente se pode encontrar sequer um historiador que ouse basear-se na verdade e confiabilidade desses registros. Assim, o que há nos registros saxões antigos que os torna tão impalatáveis ao gosto modernista, mas que poderia nos interessar em nossa investigação atual? (Depois do Dilúvio, p. 68)